NET SITES "by herich59"


O objetivo deste blog é apenas fazer com que as pessoas pensem por si mesmas, se perguntem, se manifestem e não aceitem tudo como se fosse parte do sistema.

Divulgo matérias para que as pessoas leiam e reflitam sobre o assunto, mas tirando suas conclusões e não seguindo minhas ideias. Não quero aqui induzir ninguém a nada.

Online Rádio Player

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Prazer em Conhecê-lo: Dirceu Costa Cantor e Compositor

É com grande prazer que divulgo o trabalho do cantor e compositor Dirceu Costa (Velho Dy).

Gaúcho de Novo Hamburgo (atualmente residindo em São Leopoldo), “Velho Dy” como é conhecido, compõe músicas a mais de 30 anos e está expondo suas canções no Blog: http://velhody.blogspot.com.br/ onde você encontra todos os arquivos relacionados ao artista. Também estão disponíveis outros sites tais como:

Palco Mp3 http://palcomp3.com/velhody/ e letras no Terra http://letras.mus.br/velho-dy/ que conta com: fotos, shows, poemas, letras, cifras e musicas para baixar.

Vale a pena ouvir o CD:










Confira duas de suas canções nos vídeos abaixo:

Olhos de incenso (Erva Boa)
Composição, voz e Violão: Dirceu Costa (Velho Dy)
Filmagens e Edição de Vídeo: Leonardo Martineli Costa



Sistema Único
Composição, Voz e Violão: Dirceu Costa (Velho Dy)
Filmagem e Edição de Vídeo: Leonardo Martineli Costa



Curta no YouTube a música: Chão de Dúvidas
Vencedora do Prêmio Poesia livre 2014 eleita uma das melhores poesias do Brasil: https://www.youtube.com/watch?v=1gPFjh_S7rY

Mais de Velho Dy:

Inexistência de violação de direitos de autor com música e vídeo.
Todos os vídeos postados aqui têm seus direitos reservados aos seus autores.

Parabéns pelo seu trabalho. Abraço!

herich59

sábado, 14 de março de 2015

Clássicos & Orquestras - Richard Strauss - Assim Falou Zaratustra (Op. 30) - Parte I

Richard Georg Strauss

Foi um compositor e maestro alemão conhecido por seu poema sinfônico “Assim Falou Zaratustra, Opus 30, de 1891” (em alemão Also sprach Zarathustra), cuja introdução tornou-se mundialmente conhecida por ter sido usada como tema musical no filme 2001: Uma Odisséia no Espaço (A Space Odyssey), criação de Arthur C. Clarke e Stanley Kubrick, de 1968. E como introdução dos espetáculos de Elvis Presley a partir dos anos 70.

2001: A Space Odyssey

2001: A Space Odyssey (2001 - Uma Odisséia no Espaço no Brasil) é um filme anglo-americano de 1968. Dirigido e produzido por Stanley Kubrick, co-escrito por Kubrick e Arthur C. Clarke. O filme lida com os elementos temáticos da evolução humana, tecnologia, inteligência artificial e vida extraterrestre. É notável por seu realismo científico, efeitos visuais pioneiros, imagens ambíguas que são abertas a ponto de se aproximarem do surrealismo, som no lugar de técnicas narrativas tradicionais e o uso mínimo de diálogo.

O filme é memorável por sua trilha sonora, resultado da associação feita por Kubrick entre o movimento de satélites e os dançarinos de valsas, o que o levou a usar Danúbio Azul, de Johann Strauss II e o famoso poema sinfônico de “Richard Strauss”, Also sprach Zarathustra, para mostrar a evolução filosófica do Homem teorizada no trabalho de Friedrich Nietzsche de mesmo nome.

Aclamado como sucessor de Wagner.

Richard Strauss é a síntese da música germânica no fim do século XIX e início do XX. Herdeiro direto de Richard Wagner no sinfonismo, de Franz Liszt no conceito (dando continuidade à tradição dos poemas sinfônicos) e de Hector Berlioz na grandiloquência.

Notabilizou-se como regente orquestral na Alemanha e na Áustria.  Ele era um mestre da instrumentação moderna e de uma nova sonoridade. Um mágico do som da Baviera... O compositor tornou-se famoso em todo o mundo.

Não confundir Richard Strauss com a família “Johann Strauss”: pai, filho e irmãos.

Nascido em 11 de junho de 1864, em Munique, na Baviera (hoje Alemanha). Richard Georg Strauss aprendeu música com seu pai Franz Strauss, o principal trompetista da orquestra da corte de Munique do século XIX. Sua mãe Josephine Pschorr, veio de uma família cervejeira proeminente de Pschorr. Durante uma educação convencional, Strauss dedicou a maior parte de seu tempo e energia para a música.

Ainda criança, aprendeu a tocar piano e escreveu suas primeiras composições com 6 anos de idade, “Schneiderpolka” e “Weihnachtslied” (sua mãe escreveu o texto e coube a Richard fazer a música). Antes de completar dez anos, já havia escrito uma serenata para instrumentos de sopro.









Em 1871, compôs suas primeiras partituras: uma polca e um cântico de Natal e também ouviu Weber e Mozart.

Em 1872, Richard Strauss começou a receber instrução de violino na Escola Real de Música de Benno Walter, primo de seu pai. Estudou teoria musical e orquestração com um regente assistente da Orquestra Tribunal de Munique e também participava de ensaios de orquestra.

Orquestra Tribunal de Munique:

A Orquestra do Estado Bávaro ou Orquestra do Estado da Baviera (em alemão Bayerisches Staatsorchester), com sede em Munique, capital do estado alemão Baviera é a Orquestra da Ópera do Estado Bávaro.
Fundada na época de Ludwig Senfl (1523) e especializada em música sacra, se tornou uma das melhores da Europa, perdendo para Orlando di Lasso. Em 1651 as óperas italianas foram introduzidas em Munique. De 1762 em diante a orquestra foi chamada de Orquestra Tribunal (Hoforchester), com a revolução em 1918, o nome atual foi introduzido.

A Orquestra do Estado Bávaro é uma das três maiores orquestras da cidade de Munique, junto com a Orquestra Sinfônica da Rádio Bávara e a Orquestra Filarmônica de Munique.

Em 1874, ouviu óperas de Richard Wagner, Lohengrin e Tannhäuser. A influência da música de Wagner sobre o estilo de Strauss era para ser profunda, mas seu pai musicalmente conservador não compartilhava o interesse de seu filho e proibiu-o de estudá-la. Com efeito, na casa Strauss, a música de Richard Wagner era vista com muita desconfiança, e até seus 16 anos Strauss não foi capaz de obter uma pontuação de Tristão e Isolda.

Strauss lamentou profundamente a hostilidade conservadora de seu pai para com as obras progressistas de Wagner. No entanto, sem dúvida, a influência paterna foi crucial em seu desenvolvimento musical.

Em 1876, iniciou estudos de harmonia, contraponto, fuga e piano, além de técnicas de composição e instrumentação.

No início de 1882, em Viena, Richard Strauss deu a primeira apresentação do seu Concerto para Violino em Ré menor, tocando uma redução para piano da própria parte orquestral, com seu professor e “primo” Benno Walter como solista.

Redução: Adaptação de uma composição escrita para uma orquestra, para ser executada por outro conjunto menor ou para o piano. Parte: É extraída da partitura, contendo apenas as notas de um componente do conjunto.

Quando ele deixou a escola em 1882, ele já tinha composto mais de 140 obras e continuou a escrever música quase até sua morte.

No mesmo ano entrou para a Universidade Ludwig Maximilian de Munique (LMU), onde estudou Filosofia, estética e História da Arte, mas não a música. Deixou a universidade um ano depois de ir a Berlim, onde estudou brevemente. Aprendeu a arte da regência, observando o maestro Hans von Bülow nos ensaios.

Bülow gostava muito do jovem e decidiu que Strauss deveria ser seu sucessor como maestro da orquestra Meiningen.

Em 1884, Strauss subiu pela primeira vez ao pódio (base onde o maestro se coloca) de uma orquestra, em Meiningen, para reger uma partitura de sua autoria: a Suíte Opus 4.

Em 1885, tornou-se assistente do célebre regente Hans von Bülow em Meiningen e, um mês mais tarde, quando Bülow renunciou, tornou-se regente titular daquela orquestra. Foi também diretor das casas de ópera de Weimar (1886), de Berlim (1898) e de Viena (1919-1924).

Foi então que Richard Strauss recebeu instruções de teoria da composição e orquestração, além de entrar em contato com a “música do futuro”, de Franz Liszt e Richard Wagner, para infelicidade do pai conservador, que não apreciava as inovações de Wagner.

Em 1885-1886, converte-se à música de programa; compõe “Burleske”, para piano e orquestra, primeira partitura de caráter nitidamente Straussiano.

Mais tarde no mesmo ano, compôs a primeira obra do gênero que o consagraria: o poema sinfônico Aus Italien. A partir daí, não parou mais de criar sucessos... Don Juan (1888), Morte e transfiguração (1889), Till Eulenspiegel (1894), Assim Falou Zaratustra (1896), entre outros.

Em 1889 é nomeado maestro assistente em Bayreuth; assume a direção do Teatro da Corte de Weimar; estreia do poema sinfônico Don Juan; compõe Morte e Transfiguração.

Em 1894, foi convidado por Cosima Wagner a reger Tannhäuser em Bayreuth, tornando-se “amigo” da viúva de Wagner; é nomeado maestro da Corte de Munique; inicia a composição de “Till Eulenspiegel”.

Continua... Clássicos & Orquestras - Richard Strauss - Assim Falou Zaratustra (Op. 30) - Parte II

herich59

Clássicos & Orquestras - Richard Strauss - Assim Falou Zaratustra (Op. 30) - Parte II

Richard Georg Strauss


Foi um compositor e maestro alemão conhecido por seu poema sinfônico “Assim Falou Zaratustra, Opus 30, de 1891” (em alemão Also sprach Zarathustra), cuja introdução tornou-se mundialmente conhecida por ter sido usada como tema musical no filme 2001: Uma Odisséia no Espaço (A Space Odyssey), criação de Arthur C. Clarke e Stanley Kubrick, de 1968. E como introdução dos espetáculos de Elvis Presley a partir dos anos 70.

Richard Strauss constitui sua família...

No dia 10 de setembro de 1894, Richard Strauss casou-se em Weimar com a soprano Pauline de Ahna. Ela foi a primeira a cantar o papel de Freihild em sua primeira ópera, Guntram. Ela era famosa por ser irascível, tagarela, excêntrica e franca, mas o casamento, ao que tudo indica, era essencialmente feliz e ela era uma grande fonte de inspiração para ele.

Em 1896, concluiu “Assim Falou Zaratustra” e começa a escrever “Don Quixote”. Esta última é uma obra fácil de ser entendida, mas constitui para o apreciador uma fonte inesgotável do mais raro refinamento.

Em 1897, o casal teve um filho, Franz Alexander. Em 1924, Franz casou-se com Alice von Grab, uma mulher judia, em uma cerimônia católica. Franz e Alice tiveram dois filhos, Richard e Christian.

Em 1898, instala-se com a família em Berlim, assumindo a direção da Orquestra Imperial da Prússia; funda a Associação dos Compositores Alemães; reedita o Tratado de Instrumentação e Orquestração de Berlioz e realiza tournées pela Europa.

Em 1900, em Paris, conhece Hugo von Hofmannsthal que seria o libretista de suas mais famosas óperas: Elektra, O Cavaleiro da Rosa, Ariane na Ilha de Naxos, A Mulher sem Sombra, A Helena Egípcia, Arabella.

Em 1905, constrói sua casa “Strauss-Villa” em Garmisch, nos Alpes bávaros.

Strauss-Villa é a residência do compositor alemão Richard Strauss na Alta Baviera Garmisch-Partenkirchen. O edifício é baseado na lei de conservação de 01 de outubro de 1973, um monumento arquitetônico.

No dia 9 de dezembro de 1905 estreava em Dresden, na Alemanha, a ópera “Salomé”, de Richard Strauss. Baseada em um drama de Oscar Wilde, a peça desencadeou protestos por causa do erotismo da encenação. Irmã desta seria a ópera Elektra, composta entre 1906 e 1908 com a primeira colaboração do libretista Hugo von Hofmannsthal, uma nova fase se abriu na sua produção musical, dedicada principalmente à ópera.

Em 1908, assume a direção da Ópera da Corte de Berlim.

A Ópera Estatal de Berlim (em alemão: Berliner Staatsoper Unter den Linden - em inglês: Berlin State Opera) é uma famosa companhia de ópera alemã.

Em 1909, Elektra foi estreada.

Em 1911, estreia “O Cavaleiro da Rosa”... Uma ópera com um tom de comédia que contrasta com a concepção trágica de Salomé e Elektra. Com o título original em alemão Der Rosenkavalier, a obra situa-se na tradição da ópera buffa do século XIX, embora manifestasse uma invenção temática e riqueza de instrumentação próprias do estilo de Strauss.

Em 1917, cria o Festival de Salzburgo (em alemão Salzburger Festspiele) é um famoso festival de música e drama, realizado anualmente no verão, durando cinco semanas a partir da última semana de julho, realizado na cidade austríaca de Salzburgo, terra natal de Mozart. Atualmente é realizado anualmente, sob a mesma organização, o Festival de Páscoa de Salzburgo (Salzburger Osterfestspiele).

Durante a Primeira Guerra Mundial, Richard Strauss foi ardente partidário da dinastia dos Hohenzollern. Apesar disso, durante a década que se seguiu à derrota da Alemanha o músico foi acolhido internacionalmente com calor e respeito.

A Primeira Guerra Mundial (também conhecida como Grande Guerra ou Guerra das Guerras até o início da Segunda Guerra Mundial) foi uma guerra global centrada na Europa, que começou em 28 de julho de 1914 e durou até 11 de novembro de 1918.

Em 1919, transfere-se para Viena, a fim de assumir o cargo de diretor da Ópera Estatal.

Em 1923, Strauss esteve no Brasil, onde deu memoráveis concertos no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Em 1929, inicia-se uma longa crise existencial, profissional e estética, que durariam dez anos.

Em 1933, assume a presidência da Câmara de Música do III Reich, cargo que ocuparia por três anos.

Após a subida ao poder de Hitler (1933), Richard Strauss foi nomeado diretor do Reichsmusikkammer (1934). Isso levou a suspeitas de simpatia com o nazismo, o que fez com que o compositor sofresse o desdém de outros músicos, que protestaram veementemente contra o regime nazista, entre os quais Toscanini, Arthur Rubinstein e Otto Klemperer. É sabido que Strauss dedicou uma canção a Joseph Goebbels, ministro da propaganda da Alemanha Nazista. Por outro lado, sabe-se também que ele colaborou com o escritor judeu Stefan Zweig, autor do libreto de uma de suas óperas, Die Schweigsame Frau, e fez tudo para proteger sua nora, Alice von Grab, que era judia.

Em 1938, estreia de “Friedenstag” e “Daphne”.

Friedenstag (Dia da Paz), Op. 81, é uma ópera em um ato de Richard Strauss, do libreto alemão escrito por Joseph Gregor. Strauss tinha a esperança de trabalhar novamente com Stefan Zweig em um novo projeto após a sua colaboração anterior de schweigsame Die Frau, mas as autoridades nazistas tinham assediado Strauss sobre a sua colaboração com Zweig, que era de ascendência judaica.

Daphne, Op. 82, é uma ópera em um ato de Richard Strauss, com o subtítulo “Tragédia Bucólica em um ato”. Libreto alemão escrito por Joseph Gregor. A ópera é baseada frouxamente na figura mitológica Daphne de Ovídio's Metamorphoses e inclui elementos tomados de As Bacantes de Eurípides.

Em 1939, com o início da Segunda Guerra Mundial, cai no ostracismo.

Em 1941, conclui a ópera Capriccio.

O tema da ópera Capriccio pode ser resumido como “Qual é a maior arte, poesia ou música?” Esta questão é dramatizada na história de uma condessa dividida entre dois pretendentes: Olivier, um poeta, e Flamand, um compositor.

Em 1944, Richard Strauss comemorou seu aniversário de 80 anos e conduziu a Filarmônica de Viena em gravações de suas próprias grandes obras orquestrais.

Em 1945, estabelece-se na Suíça e reflete sobre sua vida artística na composição de Metamorfoses (Metamorphosen), que muitos consideram ser a sua maior obra.

Após a derrota de Hitler, em 1945, os Aliados instalaram na Alemanha um comitê de “Desnazificação”, e Strauss foi chamado a depor, mas o tribunal o inocentou de qualquer filiação ao Partido Nazista. Convidado a reger seus concertos em Londres em 1947, foi recebido com entusiasmo.

Em 1947, viaja a Londres, em última e triunfal turnê.

Muita gente se surpreendeu ao saber que Strauss ainda estava vivo quando foi a Londres, em sua primeira viagem de avião, para um festival organizado por Sir Thomas Beecham. Ao ser consultado sobre planos para o futuro, só pôde responder: “Bem... Morrer!”.

Pouco depois, em 1948 compôs seu último trabalho, “Quatro Últimas Canções” (em alemão: Vier Letzte Lieder), um conjunto de obras para soprano e orquestra que estão entre as últimas peças de Richard Strauss, compostas em 1948, quando o compositor tinha 84 anos.

A estreia ocorreu em Londres em 22 de maio de 1950, tendo por solista a soprano Kirsten Flagstad acompanhada da Orquestra Filarmônica, regida por Wilhelm Furtwängler.

Strauss não viveu para ouvir sua obra apresentada. Poucos anos de sua morte, já havia se tornado um dos mais famosos ciclos de canções (lieder) do repertório lírico.

Richard Strauss era ateu, duvidava de todas as religiões, exceto talvez a religião da razão. “Eu nunca me converterei, e eu permanecerei fiel a minha velha religião clássica até o fim de minha vida”, declarou pouco tempo antes de sua morte.

Richard Georg Strauss morreu de insuficiência renal com 85 anos em 8 de Setembro de 1949, em sua casa em Garmisch Partenkirchen, na Alemanha. Encontra-se sepultado em Richard Strauss Villa, Garmisch, na Baviera. A esposa de Strauss, Pauline de Ahna, morreu oito meses depois, em 13 de Maio de 1950, com 88 anos.

Continua... Clássicos & Orquestras - Richard Strauss - Assim Falou Zaratustra (Op. 30) - Parte III

herich59

Clássicos & Orquestras - Richard Strauss - Assim Falou Zaratustra (Op. 30) - Parte III

Richard Georg Strauss


Foi um compositor e maestro alemão conhecido por seu poema sinfônico “Assim Falou Zaratustra, Opus 30, de 1891” (em alemão Also sprach Zarathustra), cuja introdução tornou-se mundialmente conhecida por ter sido usada como tema musical no filme 2001: Uma Odisséia no Espaço (A Space Odyssey), criação de Arthur C. Clarke e Stanley Kubrick, de 1968. E como introdução dos espetáculos de Elvis Presley a partir dos anos 70.

Assim Falou Zaratustra: livro de Friedrich Nietzsche.

Assim falou Zaratustra (Also sprach Zarathustra)... É um livro escrito entre 1883 e 1885 pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche, que influenciou significativamente o mundo moderno.













Friedrich Nietzsche:

Poema sinfônico: composto por: Richard Strauss.

Um poema sinfônico é uma obra de caráter musical baseada em um poema ou texto literário. Em geral, escrito em forma de sinfonia, em um só ato, para ser executada por uma orquestra. O autor procura descrever sentimentos e despertar emoções advindas da obra em que ele se baseia. O seu apogeu se deu no século XIX e o seu declínio após o término da Primeira guerra mundial.

Assim falou Zaratustra, Op. 30 é um poema sinfônico composto em 1896 por Richard Georg Strauss, inspirado pelo tratado filosófico de Friedrich Nietzsche com o mesmo nome escrito por Friedrich Nietzsche. O próprio compositor conduziu a primeira performance na cidade de Frankfurt.

Estrutura:

É uma homenagem à obra de Nietzsche formada por apenas um grande movimento ininterrupto, porém dividido em nove pequenas sessões, cada uma delas com o nome de um capítulo do livro de Nietzsche. Apesar da sua genialidade, a obra de Strauss foi moralmente questionada devido ao tema escolhido, pois as ideias do Supra-homem de Nietzsche serviram como base para a filosofia nazista.

A peça é dividida em nove sessões executadas com apenas três intervalos claros. Richard Strauss nomeou as sessões de acordo com capítulos do livro de Nietzsche:

1. Einleitung (Introdução), ou nascer do sol;
2. Von den Hinterweltlern (Dos Antigos Homens);
3. Von der großen Sehnsucht (Da Grande Saudade);
4. Von den Freuden und Leidenschaften (Das Alegrias e Paixões);
5. Das Grablied (O Túmulo-Canção);
6. Von der Wissenschaft (Da Ciência);
7. Der Genesende (A Convalescença);
8. Das Tanzlied (A Dança-Canção);
9. Nachtwandlerlied (Canção do Sonâmbulo).
Uma execução típica dura cerca de meia hora.

Introdução:

A peça inicia-se com a sustentação de um dó grave nos contrabaixos, contra-fagote e órgão, ao que se segue a fanfarra de metais que introduz “tema do amanhecer” Einleitung (Introdução), ou nascer do sol (do Prólogo de Zaratustra, texto que está na partitura) que permeia a estrutura de todo o trabalho. Este tema consiste de três notas em intervalos de quinta e oitava, como Dó-sol-dó.

Sexta (6ª) sessão:

"Von der Wissenschaft" (Da Ciência) mostra um diferenciado tema em fuga começando com os contrabaixos e violoncelos, que consiste de todas as 12 notas da escala cromática. É uma das poucas sessões da literatura orquestral onde os contrabaixos precisam tocar o si mais grave do piano.

De Richard Strauss - Introdução: Assim falou Zaratustra (Op. 30)

Executada e gravada pela: Berliner Philharmoniker (Berlim) - Maestro: Gustavo Dudamel em 28 de abril de 2012.


De Richard Strauss - Assim falou Zaratustra (Op. 30)

Executada pela Chicago Symphony Orchestra - Maestro: Georg Solti.
Pinturas: J.M.W. Turner e Caspar Friedrich.

video

Ligações externas:

Benno Walter: http://finslab.com/enciclopedia/letra-b/benno-walter.php
LMU: http://pt.wikipedia.org/wiki/Universidade_de_Munique
Hans Guido Freiherr von Bülow: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hans_von_Bülow
Teatro da Corte de Weimar:
http://www.germany.travel/pt/cidades-e-cultura/cidades/weimar.html
Corte de Munique: http://pt.wikipedia.org/wiki/Resid%C3%AAncia_de_Munique
Ópera da Corte de Berlim: http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%93pera_Estatal_de_Berlim
Strauss-Villa: http://de.wikipedia.org/wiki/Strauss-Villa_%28Garmisch-Partenkirchen%29 (Alemão)
A Cultura no III Reich: Disseminação da Visão de Mundo Nazista:
http://www.ushmm.org/wlc/ptbr/article.php?ModuleId=10007519
Visão Geral da Cultura Durante o Período do III Reich (Câmara de Música do III Reich):
http://www.ushmm.org/wlc/ptbr/article.php?ModuleId=10005207
Stefan Zweig: http://pt.wikipedia.org/wiki/Stefan_Zweig
Friedrich Nietzsche: http://pt.wikipedia.org/wiki/Friedrich_Nietzsche
Assim Falou Zaratustra: http://pt.wikipedia.org/wiki/Assim_Falou_Zaratustra
Also Sprach Zarathustra, Op. 30 - As nove sessões:
http://concertosincero.blogspot.com.br/2010/05/quem-decide-agora-e-voce-mes-de-abril.html
Website of the Berliner Philharmoniker:
http://www.berliner-philharmoniker.de (Alemão)
Berliner Philharmonie: http://en.wikipedia.org/wiki/Berliner_Philharmonie (Inglês)
Hercules Hall: http://en.wikipedia.org/wiki/Munich_Residenz (Inglês)

Em breve, outras histórias de Clássicos & Orquestras serão postadas aqui em Net Sites - herich59.

Inexistência de violação de direitos de autor com música e vídeo.
Todos os vídeos postados aqui têm seus direitos reservados aos seus autores.

herich59

Escrever e ler é como saborear uma fina iguaria, às vezes doce, às vezes salgada e às vezes amarga. Pena nem todos terem no paladar a possibilidade de degustar essa iguaria!

"by herich59"